NOTÍCIAS


Samba-raiz: de Dona Ivone Lara a Teresa Cristina, cantora Adriana Cavalcanti valoriza vozes femininas do gênero em projeto inédito



Série de reportagens especiais em homenagem ao Dia do Samba recorre às memórias mais nostálgicas de artistas do Oeste Paulista que, influenciados pelos pioneiros do ritmo, firmaram suas raízes no gênero musical e, hoje, são referência em toda a região. Show ‘Adriana Cavalcanti canta Beth Carvalho’, durante a 5ª edição do projeto “Sexta do Samba”, do Sesc Thermas, em 2020, em Presidente Prudente (SP) Estevão Salomão/Sesc Thermas Dona Ivone Lara, Clementina de Jesus, Tia Ciata. Mulheres que pavimentaram a estrada do samba para que as futuras gerações pudessem desbravá-la. Uma dessas vozes é a de Adriana Cavalcanti, artista que inspirou-se nos ícones do gênero para criar um projeto de valorização das cantoras: o “Mulheres no Samba”. A também professora de canto popular, que está na estrada há 22 anos e é uma das referências do samba em Presidente Prudente (SP), sempre desenvolveu projetos em que os compositores e intérpretes eram homens. Em 2023, porém, resolveu mudar a rota e valorizar a potência das vozes femininas em uma ação inédita. “É um cenário muito masculino. Se você vai em uma roda de samba, tem 15 homens e uma mulher ou, às vezes, nenhuma. Por isso, quis valorizar as vocalistas femininas, enfatizar as musicistas, intérpretes e, ainda, sim, cantar os artistas de quem eu gosto”, revelou ao g1 a cantora. Tocada pela delicadeza do timbre de Maria Rita e pela áurea musical de Teresa Cristina, a artista buscou no ritmo um espaço para dar voz às pioneiras, que marcaram não só o cenário musical brasileiro, mas a história do país, por meio da resistência, da ousadia e da coragem com que transformaram suas vidas e moldaram o futuro das gerações de mulheres através da música, de Mariene de Castro a Roberta Sá. “As mulheres batalharam para ter espaço no samba. A Tia Ciata é uma das maiores representantes, a mãe do samba, porque todas as rodas de samba no Rio de Janeiro eram feitas na casa dela. Já houve uma abertura, com Dona Ivone Lara, Clementina de Jesus e Jovelina Pérola Negra. A gente foi conquistando espaço, mostrando para os críticos e para os compositores que as mulheres também podiam fazer música, fazer samba de qualidade”, ressaltou. Adriana Cavalcanti valoriza pioneiras do gênero musical em projeto inédito intitulado ‘Mulheres do Samba’ Estevão Salomão/Sesc Thermas ‘Ritmo e poesia’ 💌 Graças a essas mulheres, a cantora prudentina consolidou sua carreira no Oeste Paulista e, atualmente, é reconhecida também pelos seus trabalhos enquanto produtora cultural e compositora, com mérito pela Confederação Brasileira de Letras e Artes e menção honrosa no “Prêmio Embrulhador”, que classifica os melhores CDs da música brasileira. A artista, que possui mais de 10 troféus conquistados ao longo de sua carreira, ainda dividiu palco com Pedro Camargo Mariano, filho da cantora Elis Regina, e gravou um show de estúdio com Cuca Teixeira, Léo Ferrarini e Rodrigo Santos. Atualmente, leva aos lugares onde se apresenta a alegria contagiante do ritmo considerado por ela um “patrimônio brasileiro”. “O samba é uma forma de expressão cultural, um patrimônio brasileiro. Um ritmo alegre que contagia as pessoas, mas, ao mesmo tempo, trata de assuntos sociais, políticos e sérios. Essa é uma das diferenças entre o pagode e o samba. Você pode estar dançando com uma letra dizendo ‘acender as velas, já é profissão, quando não tem samba, tem desilusão’, eternizada na voz de Zé Keti, tratando de velório, por exemplo”, disse ao g1. Prudentina Adriana Cavalcanti está na estrada há 22 anos e, ao longo da carreira, ganhou mais de 10 prêmios Maila Alves/Sesc Thermas E é justamente nesse terreno fértil que a cantora põe os pés e dá vida aos clássicos e aos novos talentos do samba, com o objetivo de levar alegria, mas, também, abordar assuntos sociais por meio de letras repletas de referências. Para ela, o samba vai muito além do ritmo: ele finca suas raízes na ancestralidade da cultura afro-brasileira, que, desde o século 19, versa sobre temas sensíveis às épocas, como racismo, liberdade e religião. Mesmo agora, no século 21, as temáticas são traduzidas por meio da criatividade com que os enredos carnavalescos são construídos e apresentados nas grandes avenidas, durante os festejos. “Outros estilos podem até ter um arranjo dançante, para cima, mas, muitas vezes, eles não têm aquela letra rica, que passa realmente uma mensagem para a população. No samba, a gente une vários fatores, como, por exemplo, a beleza da mulher no Carnaval e a junção de muitos instrumentos. O samba une o ritmo à poesia”, relatou. Apesar do caminho trilhado pelas artistas, Adriana Cavalcanti tem consciência de que ainda há muito a ser conquistado. Os versos de “Não Deixe o Samba Morrer” (2007), sucesso de Aloísio Silva e Edson Conceição na voz de Alcione, a eterna “Marrom”, ganham ainda mais força quando entoados com a certeza de que nunca irão deixar de ser cantados, não se depender das mulheres. Artista também é professora de canto popular, compositora e produtora cultural Estevão Salomão/Sesc Thermas Série especial 🥁 Nesta semana, o Portal g1 Presidente Prudente e Região publica uma série de reportagens especiais em homenagem ao Dia do Samba, comemorado em 2 de dezembro. “Samba-raiz” faz referência à ancestralidade com que o ritmo foi firmado em terras brasileiras. Mais do que isso: recorre às memórias mais nostálgicas de artistas do Oeste Paulista que, influenciados pelos pioneiros do samba, firmaram suas raízes no gênero musical e, hoje, são referência em toda a região. “Samba-raiz” é alegria, ritmo, poesia e reflexão. É o legado que já está sendo construído por todos aqueles que compartilham o amor pelo bom e velho samba raiz. A primeira reportagem foi ao ar nesta quarta-feira (29) e trouxe detalhes do que motivou a cantora Adriana Cavalcanti a idealizar o projeto “Mulheres no Samba”. Adriana Cavalcanti é referência no samba em Presidente Prudente (SP) Maila Alves/Sesc ThermasVeja mais notícias em g1 Presidente Prudente e Região.

Fonte: G1


29/11/2023 – 95 FM Dracena

COMPARTILHE

SEGUE A @95FMDRACENA

(18) 3822-2220


Av. Expedicionários, 1025, Centro
Cep: 17.900-000 – Dracena/SP

Todos os direitos reservados.  

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO