NOTÍCIAS


Brasileira se passa por venezuelana e adota o ‘portunhol’ para aplicar golpes em agências bancárias, mas é presa em flagrante pela polícia



Suspeita, que, na verdade, é brasileira, teria praticado crimes de estelionato em Junqueirópolis (SP) e, nesta quarta-feira (24), mirava instituições bancárias de Pacaembu (SP). Brasileira se passa por venezuelana e adota o ‘portunhol’ para aplicar golpes em agências bancárias no Oeste Paulista Polícia Militar Uma mulher, de 42 anos, foi presa em flagrante após se passar por estrangeira e aplicar golpes em agências bancárias da região. Ela foi detida nesta quarta-feira (24), em Pacaembu (SP), e, na ocasião, estava junto com o namorado, de 28 anos. O casal foi abordado em frente a uma instituição bancária da cidade, depois de supostamente ter aplicado golpes em duas agências localizadas em Junqueirópolis (SP), no dia anterior. Ainda na quarta-feira, eles teriam passado em outro banco antes de se dirigir à instituição onde foram abordados, no entanto, os funcionários já estavam cientes do que havia ocorrido em Junqueirópolis e não caíram no golpe, segundo o delegado Paulo Lozano. A Polícia Militar foi acionada e, assim que chegou no local, não encontrou o casal. Os policiais se deslocaram até outra agência e localizaram a mulher, dentro do banco, e o namorado, que a aguardava do lado de fora da instituição. No carro dos suspeitos, os militares encontraram R$ 2.050 em dinheiro e cinco cartões de crédito, que foram apreendidos. Eles foram conduzidos até a delegacia e funcionários das agências junqueiropolenses a reconheceram como a suposta golpista, porém, não tinham ciência da participação do rapaz no crime, motivo pelo qual a mulher permaneceu presa por estelionato e o namorado foi liberado. Durante a audiência de custódia, realizada na manhã desta quinta-feira (25), a prisão em flagrante da suspeita foi convertida em preventiva. ‘Mal compreendida’ Ao g1, o delegado informou que a mulher chegou na agência se passando por venezuelana e pediu para trocar 9 notas de R$ 100 por 18 de R$ 50. Após a troca, “falando portunhol”, ela esclareceu ter sido mal compreendida e que, na verdade, “trocar” era “transferir”, ou seja, ela queria transferir o dinheiro para Venezuela. Diante disso, a troca das notas foi desfeita, no entanto, a investigada, cuja nacionalidade é brasileira, não devolveu todas as cédulas de R$ 50 fornecidas pela agência, ficando com seis delas, o que totalizou R$ 300. A bancária percebeu o golpe somente depois, quando foi contar as notas, ocasião em que a mulher já havia deixado a agência, conforme Lozano.Veja mais notícias em g1 Presidente Prudente e Região.

Fonte: G1


25/01/2024 – 95 FM Dracena

COMPARTILHE

SEGUE A @95FMDRACENA

(18) 3822-2220


Av. Expedicionários, 1025, Centro
Cep: 17.900-000 – Dracena/SP

Todos os direitos reservados.  

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO